domingo, 27 de novembro de 2011

Eu tenho feito tantas coisas... Confissões demais

Eu tenho feito tanta coisa errada, eu tenho trilhado caminhos tão distantes... Meu único horizonte de razões e certezas tem sido a tua imagem, por mais que você seja em mim puro sentimento e incerteza. Eu sigo por tais caminhos, me perco, tropeço, choro, dou de ombros e me levanto, tiro a poeira, limpo as lágrimas que teimam em não parar de brotar, levanto a cabeça e volto a caminhar, ainda que machucada, sofrendo e chorando. Não demora muito e lá vai: caiu de novo, e de novo, e de novo... Às vezes me levanto rápido, sou forte. Outras eu demoro um tempo a mais, fico lenta, mole... fraca, mas me levanto e volto a caminhar. Tantas e tantas vezes assim. Somos repetição... Por isso repito, todos os dias ao meu coração que tanto te ama: te aquieta menino, deixa de ser moleque... (mentira, eu repito todos os dias: AMO VOCÊ, mas falo baixinho, porque te amo tanto, mais tanto, que tenho medo de te assustar...). Ando confessando coisas demais, me despersonalizo e talvez só eu entenda o quanto toda essa transformação tem pesado. Não entendo, mas para os outros isso é tão natural. Pelo menos é o que parece. Eu vou levando tudo do meu jeito, do meu estranho jeito de ser e de lidar com as pessoas. Vou continuar amando do meu jeito... Torto, mas é o MEU TORTO! E tortA serei. Se eu me orgulho? Talvez... Tá, me dá um tempo?! Deixa eu me adaptar ao novo de mim... Dae a gente pode ser... A gente vai ser. E eu quero que você saiba que é isso que eu quero... Blééééé... Chega por hoje...

Nenhum comentário:

Postar um comentário